Artigo

Protagonize. Assuma a direção

De tanto correr pela vida sem rumo
Me esqueci que na vida se vive um momento
De tanto querer ser em tudo o primeiro
Esqueci de viver os detalhes pequenos
[..] De tanto brincar com quem eu mais queria
Eu perdi sem querer o melhor que eu tinha
[…] De tanto ocultar a verdade com mentiras
Enganei sem saber que era eu quem perdia
De tanto esperar o que eu nunca oferecia
Hoje eu vivo a chorar, O que eu sempre temia
[…]De tanto lutar sem pensar no fracasso
Descobri sem querer, que eu vivi sem motivo
Me esqueci de viver, me esqueci de viver 


Escolhi estes versos da música “Me esqueci de viver” de José Augusto porque retratam o sentimento do deixar-se levar por uma vida sem sentido, sem analisar as alternativas e assumir escolhas, se deparando com crises existenciais que, por vezes, parecem um abismo sem fim. Crises fazem parte do processo de evolução humana, porém, o tempo de permanência neste estado pode ser mais breve se o eixo é construir uma história de vida bem sucedida, realizadora, gratificante, aproveitando bem o seu tempo, seu dinheiro, seus esforços e as oportunidades, mesmo com as pedras no caminho.

Quando você “deixa a vida te levar” é possível que durante um tempo não sofra a ansiedade gerada pelas incertezas quanto ao futuro e não se sinta pressionado pelos compromissos. Mas, as consequências de viver orientado pelas expectativas dos outros, sem desafios de significado pessoal, sem uma direção é um dos fatores que mais tem causado a sensação de vazio nas pessoas. Por trás do não assumir os próprios desejos é comum o medo do fracasso e a busca de culpados, colocando-se no papel de vítima. Certa vez, atendi um senhor de 56 anos que, após ter trabalhado como funcionário em mais de 20 empresas, buscou reconstruir os rumos de sua vida profissional “Cansei de ser o filho de fulano de tal, irmão de e marido de; eu tive tudo o que queria, me envolvi com drogas, joguei tudo fora e virei um coitado; quero ter a minha própria identidade e tornar-me senhor fulano de tal”.

Por outro lado, quando se define o que quer, cria-se uma expectativa de futuro para si mesmo e você pode assumir o papel de personagem principal da sua história. De protagonista da sua vida pessoal, da carreira profissional ou da sua empresa. Lembro-me do caso de um empresário que precisou escolher se pagava o aluguel de uma pequena sala para começar seu negócio, ou uma pensão para dormir. Optou pela sala comercial e morar nela. De dia escondia o colchão atrás do armário. A noite tomava banho na academia de um conhecido. Final de semana ia para a casa da namorada. Muitas vezes sentiu medo de não conseguir pagar o preço do sucesso. Lutou. Compartilhou seus sonhos. Acreditou na capacidade das pessoas e hoje conta com mais de 200 colaboradores. A empresa prosperou e lhe permite um padrão de vida desejado por muitos, ao lado de sua família.

Construir uma vida bem sucedida por vezes é muito, muito difícil. É preciso acreditar em si próprio acima de tudo, tomar decisões, agir, assumir a responsabilidade pessoal pelos resultados e ajustar o roteiro da história conforme as circunstâncias da vida. Mas o prazer das conquistas faz valer a pena cada segundo. E a música? Torna-se outra. Como nos versos de Beth Carvalho “Viver e não ter vergonha de ser feliz. Cantar, e cantar, e cantar a beleza de ser um eterno aprendiz. […] Somos nós que fazemos a vida. Como der ou puder ou quiser. Sempre desejada”. Por isso, suba no palco da vida. Assuma o comando. Protagonize.

Facebooktwittergoogle_plus